Histórico

A Associação Brasileira de Portadores de Olho Seco - APOS - foi criada no dia 15 de julho de 2004, pela iniciativa de portadores de olho seco, familiares, médicos e apoio de empresas da área farmacêutica. Com sede em São Paulo, à Rua Tamandaré, 693,  Liberdade, São Paulo/SP , a APOS tem parceria com os principais hospitais e universidades brasileiras e o apoio do Conselho Brasileiro de Oftalmologia, SOBLEC e apoio internacional do The Cornea Society e International e Ocular Surface Society.
A doença do olho seco afeta cerca de 30% da população em todo o mundo. Muitas delas sofrem desnecessariamente porque não sabem que o problema tem solução, são incorretamente diagnosticadas ou não chegam a receber um tratamento adequado.
Hoje, um diagnóstico correto com tratamento adequado pode ajudar qualquer pessoa portadora da doença do olho seco a ter uma melhor qualidade de vida.

Objetivos e Missão

A APOS é uma associação sem fins lucrativos e tem como objetivo principal a conscientização da população brasileira sobre a existência da doença, seu diagnóstico e tratamento, além da busca da melhora da qualidade de vida dos portadores de Olho Seco, através da informação e educação. Nossa Missão está em educar e informar os portadores, seus familiares e amigos, os profissionais de saúde e a sociedade, em geral, conscientizando-os sobre a natureza e os tratamentos do olho seco. Também é nossa missão, promover suporte, divulgar o olho seco, eliminar o preconceito e discriminação.

APOS - Associação dos Portadores de Olho Seco

Existe desde 2004 para oferecer apoio, educação e informação a todos os familiares e pacientes com Olho Seco. É uma organização não governamental (ONG) sem fins lucrativos e independente.

Quem compõe a APOS

A APOS é composta por um Conselho Executivo de Gestão 2016/2018, contando com membros ativos organizados nos cargos de Presidente Científico, Presidente e Vice Presidentes Executivo, Presidente de Honra/Social, 1º e 2º Secretários, Tesoureiro e Membros do Conselho Fiscal. Abaixo, segue discriminação de cada cargo/membro da APOS.

Scroll to top